Todo mundo sabe o desconforto que é a dormência de um membro.

Qualquer anormalidade interrompendo a transmissão de informações a partir da pele/cérebro e vice-versa pode causar dormência ou paralisia.


Em geral, é um fenômeno transitório e sem conseqüências graves. No entanto, é importante reconhecer dormência benigna e diferenciá-la de uma doença grave, paralisia ou acidente vascular cerebral (AVC).

O que causa torpor, paralisia, acidente vascular cerebral (AVC)?


Dormência paralisiaDormência de natureza benigna (exemplos):

Choque no cotovelo: Dormência por alguns minutos a partir do cotovelo, antebraço e, às vezes os dois últimos dedos da mão após trauma. 



Temporário de compressão de um nervo ou artéria:
Dormência de um membro, por exemplo, após passar algum tempo sentado em uma posição ruim ou ter trabalhado longos períodos com os braços levantados para cima. 

Hiperventilação (respiração muito rápida)
: Formigamento difuso, mas localizadas principalmente nos lábios e nas extremidades. Este fenômeno ocorre geralmente após um exercício muito intenso ou uma crise de Ansiedade. Algumas pessoas têm crises de hiperventilação repetida, mas não perigosa. 
 

Para aliviar dormência benigna, em geral, o desconforto desaparece rapidamente. No ínterim, você pode esfregar a área , se necessário, tomar um comprimido de paracetamol ou o ibuprofeno.

Dormência indicando uma doença grave 

Maus hábitos ao volante: Dormência constante nos últimos dois dedos de uma mão, devido ao hábito de dirigir o carro com o cotovelo na borda da porta: no longo prazo, isso pode levar à paralisia da mão. 

 

Síndrome do Túnel Carpal: A mão está dormente e perde sua força, o sujeito acorda muitas vezes durante a noite por causa da dormência. Movimentos repetitivos do punho (instrumentos musicais, trabalhos manuais repetitivos e teclados de computador são muitas vezes responsáveis, bem como a Obesidade. Ocorre a irritação do nervo mediano que passa através do túnel do carpo (canal estreito localizado no pulso). 

 

Hérnia de disco: Colapso do disco intervertebral e compressão das raízes nervosas ou da medula espinhal. Isto causa a dor e pode produzir dormência nas pernas ou nos braços ou o polegar, dependendo da localização da hérnia de disco ao longo da coluna vertebral. 

 

Osteoartrose vertebral: O desgaste das vértebras afeta a medula espinhal ou as raízes nervosas. 



Tumor cerebral:
Afeta todas as idades e pode paralisar a região da frente no tumor. A dormência muitas vezes é acompanhada por perturbações da linguagem e visão. 
 
Tumor da medula espinhal
: Ela entorpece e paralisa parte do corpo situado abaixo do tumor. 

Trauma:
Dormência ou paralisia de um ou mais membros causadas por lesões no cérebro ou lesão da medula espinhal na seqüência de um acidente. 

 

Polineuropatia: É uma lesão tóxica das terminações nervosas dos pés ou mãos. Pode ser de várias causas, incluindo Diabetes e alcoolismo. É caracterizada por uma dormência e pés dolorosos, que vai progredir lentamente para as pernas com os meses e anos.

 

Esclerose: De causa desconhecida, que está presente apenas nos países industrializados. É a doença neurológica mais comum entre os adultos com menos de 50 anos. Ela afeta um em 500, a maioria mulheres jovens. 

 

Doença de Guillain-Barré:
 É caracterizada por dormência e paralisia por volta das pernas em poucos dias. 



Para aliviar/impedir a dormência :

* Acostume-se a manter uma boa postura;

* Poupe suas costas e articulações;

* Evite levar no bolso de trás, por exemplo, um objeto, como uma carteira, podem comprimir o nervo ciático;

* Fazer pausas a cada 30 a 60 minutos, se você precisar executar tarefas repetitivas que utilizem muito o punho;

* Alimentação saudável e fazer exercícios regulares, pois protege o coração e o cérebro;

* Cuide da hipertensão, diabetes ou colesterol elevado;

* Evitar a obesidade e todas as formas de tabaco. A obesidade e nicotina têm o efeito de estreitamento do calibre das artérias, que é um fator de risco.  

Quando procurar um médico

  • Se você tiver metade do corpo dormente;


  • Você se sente dormência em uma parte do corpo, que dura de 5 a 20 minutos e não é devido a má postura;

  • Você tem um lado da face ou braço dormente;


  • A dormência progride lentamente do pé em direção ao abdômen;


  • Você experimenta uma perda repentina do campo visual ou visão lateral em um olho, com ou sem distúrbios da fala.
  •  


    O médico ao tomar conhecimento de informações importantes, realizará um exame físico para determinar as causas da dormência ou paralisia.

    A história familiar e fatores de risco são de primordial importância, como a duração, freqüência e circunstâncias do início dos sintomas.

    O médico irá tentar determinar se o problema é de um nervo, medula espinhal ou cérebro.

    Para detectar um problema com nervos, dos exames podem ser necessárias:

    * Eletromiograma: exame que envolve a administração de pequenos choques elétricos nos dedos ou para avaliar a resposta;

    * Ensaio sensoriais: que são utilizados em caso de dúvida para medir o tempo de transmissão de impulsos nervosos para o cérebro.

    A ressonância magnética pode também ser solicitada para uma investigação mais detalhada.

     

    Qual é o tratamento?


    * Síndrome do Túnel Carpal: O médico pode recomendar usar uma tala a noite para manter a mão e o alinhamento do pulso. Como último recurso, a cirurgia é realizada no pulso. Corta-se o material fibroso que cobre o nervo mediano, aliviando a pressão sobre os nervos e vasos sanguíneos.


    * A hérnia de disco. Descanso e fisioterapia são as primeiras medidas, mas a cirurgia em muitos casos é necessária.


    * Osteoartrose vertebral: A dor é aliviada por meio de anti-inflamatórios e infiltração local de cortisona. Pode-se evitar as distorções com um bom controle da inflamação.


    * Tumor da medula espinhal: Se ele for diagnosticado, a operação deve ser feita rapidamente.


    * Tumor cerebral: Ocorre em 20% dos casos, a biópsia do tumor ou a remoção de uma parte dele, sem causar seqüelas graves para o paciente. O tratamento é completado por radioterapia e quimioterapia, às vezes.


    * Trauma: Se o caso é operável, ele deve ocorrer no prazo de oito horas após o acidente, pois são maiores as chances de restauração do impulso nervoso e reversão da paralisia.


    * Polineuropatia: Ela domina a causa por diabetes e alcoolismo. Na verdade, se a lesão do nervo é muito avançado e está gangrenado nas extremidades, por vezes é necessário a amputação.


    * Esclerose: Não existe tratamento específico, mas já existem novas drogas que permitim melhor controle dos sintomas e progressão da doença.


    * Doença de Guillain-Barré: Os pacientes são internados. Pode ser feito plasmaférese (tratamento onde o sangue é filtrado em um aparelho para remover do corpo os anticorpos que causam a doença) ou a administração de imunoglobulina intravenosa.

    Muito importante deste grupo é o mirtilo (blueberry), pois ajuda a reverter a queda das funções cerebrais e aumenta a liberação de dopamina, que tem a função energizante e estimulante.